Arquitetura corporativa: o que eu preciso saber sobre o assunto?

A arquitetura corporativa é uma aliada muito importante das empresas, trazendo vários benefícios. Com um ambiente bem planejado, é possível conquistar novos clientes, fidelizar os antigos, transmitir as principais mensagens do negócio e melhorar o conforto de clientes e funcionários, entre muitas outras vantagens.

Para isso, é preciso ter alguns cuidados específicos. Por essa razão, preparamos este post com as principais informações sobre os projetos corporativos. Acompanhe!

Os objetivos da arquitetura corporativa

Em um ambiente empresarial, a arquitetura pode se tornar uma aliada importantíssima para a conquista dos objetivos do seu planejamento estratégico. Afinal, ela influencia diversos fatores em relação à percepção da imagem pelo cliente, à produtividade das equipes, ao conforto de todas as partes, por exemplo.

Então, na hora de avaliar um espaço e fazer um planejamento adequado para ele, você precisará ter em mente alguns pontos específicos. Falaremos dos principais a seguir!

Causar uma boa impressão nos clientes

Muitas vezes, acreditamos que o marketing é o principal responsável pela criação de uma boa imagem da nossa empresa na mente do público. No entanto, devemos também refletir se a arquitetura e o design do interior estão compatíveis com a imagem divulgada nas campanhas.

Afinal, imagine a seguinte situação: uma peça publicitária apresenta a mensagem de que sua empresa é a melhor em relação à experiência do cliente e à qualidade do produto. Chegando à sede, a pessoa encontra um ambiente simples e sem sofisticação. Além disso, não há um bom sistema de conforto termoacústico. Diante disso, como ele vai acreditar na sua publicidade?

Nesse sentido, um dos principais benefícios da arquitetura empresarial é permitir a expressão das suas missões e da sua filosofia no espaço físico. Desse modo, ele ajudará a confirmar a sua autoridade.

Oferecer ergonomia para o trabalho dos colaboradores

Outro ponto essencial é a ergonomia do trabalho, a qual é importante tanto para a produtividade quanto para a conformidade com a lei. Em relação ao design de interiores, você deverá se preocupar com aspectos como:

  • especificações das cadeiras, cujos braços, encostos e ajustes devem ser compatíveis com as regras presentes nas normas regulamentadoras do antigo Ministério do Trabalho;
  • altura das mesas, as quais não podem submeter os membros e músculos dos funcionários a esforços contínuos;
  • ausência de obstáculos nos espaços de transição, para evitar acidentes.

Do ponto de vista do edifício, você deverá se preocupar especialmente com o conforto térmico e acústico. A construção deverá permitir uma boa eficiência dos sistemas de ar-condicionado e abafar grande parte dos sons oriundos do meio externo. Afinal, as normas governamentais exigem uma temperatura entre 23º e 26º Celsius e um nível de ruído que não ultrapasse 70 decibéis.

Facilitar a execução dos processos

Além disso, todo o espaço físico deve ser planejado de acordo com os processos específicos da empresa, de modo a aumentar a produtividade:

  • departamentos que trabalham juntos devem ficar próximos uns dos outros;
  • em atividades que demandam o transporte de insumos e equipamentos, os corredores deverão ser amplos, para facilitar o trânsito;
  • etapas sequenciais de um determinado processo devem ser feitas, sempre que possível, no mesmo ambiente;
  • o espaço útil disponível deve ser compatível com aquele exigido pela tarefa.

Em outras palavras, não adianta fazer um projeto genérico para todos os negócios. É preciso personalizar cada um deles de acordo com as necessidades específicas da empresa. Caso contrário, não se aproveita todo o potencial que a arquitetura tem para melhorar a eficiência e a produtividade.

Reduzir o turnover

O ambiente tem um impacto muito grande no humor dos colaboradores. Se eles estão em um local agradável, isso reduz o nível de estresse. Então, eles executarão suas tarefas com mais satisfação e mais estimulados, pois a temperatura é ideal, a decoração é bonita etc.

Por outro lado, em ambientes feios ou desconfortáveis, eles se sentirão constantemente incomodados. Isso começará a refletir no trabalho, o qual se tornará cada vez mais insatisfatório. Em determinado momento, o colaborador poderá pedir demissão e procurar um concorrente. Então, para reter talentos, não basta oferecer benefícios, deve-se também cuidar do ambiente de trabalho.

O planejamento arquitetônico para a empresa

Para garantir que todos esses aspectos sejam atendidos, são necessárias várias etapas de planejamento. A seguir, vamos abordar rapidamente as principais.

Análise do planejamento estratégico

Como o espaço deverá refletir as missões e os objetivos da empresa, o primeiro passo é a análise do planejamento estratégico. Esse documento oferecerá a compreensão dos elementos mais importantes que a arquitetura pode trazer.

Por exemplo, se uma das missões for “ser uma referência em tecnologia”, será essencial utilizar uma linguagem arquitetônica mais futurista, com o uso de muito alumínio e vidro. Além disso, se possível, deverão ser implementadas formas de automação no ambiente para o controle digital da iluminação, da temperatura etc.

Levantamento de requisitos

Depois da análise completa do planejamento estratégico, o arquiteto deverá estabelecer quais são os pontos imprescindíveis para o projeto. Desse modo, durante a execução, ele poderá tomar decisões melhores para priorizar determinados elementos em detrimento de outros. Também, no final, ele poderá fazer um controle de qualidade mais completo.

Elaboração do projeto

Aqui, será o momento de colocar em prática todo o conhecimento acumulado nas etapas anteriores. Em geral, um projeto de arquitetura corporativa inclui os seguintes aspectos:

  • iluminação;
  • conforto termoacústico;
  • mobiliário;
  • organização do espaço físico;
  • decoração;
  • fachadas.

As maiores tendências da arquitetura empresarial contemporânea

O arquiteto precisa estar ligado nas mais novas tendências corporativas. Há muitas novidades pela frente que rompem com os modelos mais tradicionais!

Áreas verdes internas

Hoje em dia, as pessoas têm sentido falta de um contato maior com a natureza nas grandes cidades. Para contornar esse problema, muitos arquitetos têm incorporado áreas verdes dentro das construções, o chamado design biofílico. Não estamos falando de um gramado simples, mas de um verdadeiro planejamento paisagístico.

Áreas de descompressão

Outra grande preocupação têm sido os elevados níveis de estresse no ambiente de trabalho. Isso compromete a saúde mental dos colaboradores. Uma ação simples para rever esse problema é a criação de áreas de lazer e de descompressão, que podem oferecer um descanso após um momento tumultuado.

Sustentabilidade

A sustentabilidade tem se tornado um valor muito importante para as pessoas, visto que a deterioração do meio ambiente pode comprometer a qualidade da vida no planeta. Assim, muitas pessoas vão preferir contratar empresas que se preocupam com esse ponto, e a arquitetura pode ajudar bastante na redução de resíduos e no reaproveitamento de recursos.

Portanto, a arquitetura corporativa é uma ferramenta para que as empresas alcancem seus objetivos estratégicos e se adéquem melhor ao seu público. Para isso, é imprescindível contar com um projeto completo, focado em conforto, ergonomia, produtividade e eficiência.

Quer continuar recebendo as melhores dicas de arquitetura empresarial nas suas redes sociais? Então, siga nossas páginas nas redes sociais. Estamos no Facebook e Instagram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *