Christoph Jenni fala sobre o processo de criação da Ayra

Designer de várias peças F.Way, Christoph Jenni falou em entrevista à nossa equipe sobre o processo de criação da Ayra, um grande sucesso indicado à Milan Design Week 2019.

Sobre Christoph Jenni

Filhos de imigrantes suíços, Christoph Jenni nasceu no Rio de Janeiro, Brasil. Após se mudar para a Suíça, estudou desenho industrial na FHNW em Aarau. Até 2010, foi designer de móveis no Studio Hannes Wettstein, em Zurique, antes de abrir seu próprio estúdio em Aarau. Jenni descreve seu trabalho como uma síntese de sua herança brasileira e formação na Suíça, combinado com o acribic, uma experiência formalmente calma que ele fez enquanto trabalhava para Hannes Wettstein.

Sobre a  criação da Ayra

F: Christoph, como é o seu processo de idealização de um produto? Poderia argumentar quais são os pontos que você mais se dedica quando está projetando um assento (cadeira ou poltrona)?

CJ: O processo é dividido em várias fases:

– avaliação do briefing

– pesquisa do mercado

– conceito de base do produto (História a ser contada)

– definir os pontos principais do produto

– desenhos, procurando combinar todas as partes acima mencionadas

– modelos ou 3D

– protótipos 1:1

 

F: Como foi o processo de criação da poltrona Ayra? Comente suas inspirações e o que desejava transmitir com este produto.

CJ: A parte mais característica da Ayra é o braço. Ali se reflete também a forma da concha. Se trata de um trabalho escultural. Eu fiz um braço com uma forma inédita, que no mesmo tempo é funcional, mas sobretudo tem um caráter visível e único.

 

F: Você costuma imprimir alguma assinatura de estilo em seus produtos? Algo que seja reconhecido como uma característica do seu design?

CJ: Eu creio que a minha assinatura seja o meu modo de trabalho. A coisa mais importante para mim é sempre combinar a parte lógica com a parte emocional. No meu ver, o ser humano sempre reage em com duas coisas: coração e mente.

F: A poltrona Ayra é um produto que pode existir em um ambiente corporativo, colaborativo ou home-office. Como você pensa no design de um produto para que ele seja realmente multifuncional?

Se pensarmos mais no usuário do que nas situações definidas conseguimos satisfazer mais requerimentos. Porém hoje me parece que a diferença entre o corporativo e o home está desaparecendo cada vez mais.

 

F: Você é um designer conhecido por compreender materiais e processos industriais e como isso afeta o projeto de um produto. A linha Ayra teve algum processo exclusivo de outras poltronas que você já desenvolveu?

Não, porém a Ayra tem a vantagem do aperfeiçoamento retirado de tantas outras experiências, com quase todos os processos produtivos feitos antes de começar a trabalhar nela.

 

F: Por último, de onde veio o nome Ayra?

Ayra vem do Guarani e quer dizer:

aýra – filha 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *